Você já se imaginou “fabricando” suas próprias roupas ou objetos em casa ao invés de ir até uma loja comprar? Essa mudança da lógica de consumo deve se concretizar nos próximos anos, conforme projeções da Singularity University, cujo cofundador e membro executivo é Peter Diamandis, autor do livro Organizações Exponenciais. A grande aposta para tornar essa mudança possível é a popularização do uso de impressoras tridimensionais. Esse será o tema do nosso artigo de hoje e dará sequência às publicações da série sobre Forças Tecnológicas. Basta buscar as palavras “impressão 3D” no Google e saltam milhares de páginas relatando utilizações inusitadas com dados de tempoLeia mais

Será que uma máquina consegue aprender a raciocinar e responder perguntas como se fosse você? De acordo com o aplicativo Replika, sim, isso já é possível. O Replika é um aplicativo de chatbot com Inteligência artificial que aprende tudo o que você contar para ele e com o tempo, se transforma em uma “consciência” com quem você pode conversar. Quanto mais você compartilha com ele mais ele aprende e cria personalidade baseada nas informações que você forneceu, imitando o funcionamento do cérebro humano. Ele parte de uma série de perguntas, e de acordo com as suas respostas, usa o princípio de machine learning (máquina queLeia mais

  O nome pode até parecer novidade mas certamente você já tem, conhece alguém que tenha ou deseja ter um wearable. As roupas ou acessórios que já têm embutidas as “tecnologias vestíveis” na sua maioria primam em incentivar uma vida mais saudável e consequentemente, uma maior expectativa de vida das pessoas. Esses dispositivos coletam dados e se conectam a outros aparelhos, principalmente à computadores, smartphones e tablets. Os produtos mais populares são as smartbands (pulseiras) e os smartwaches (relógios) e os principais usos são para monitorar a performance física através de informações coletadas sobre a distância percorrida, velocidade, batimentos cardíacos, pressão arterial e qualidade doLeia mais

  O dia a dia de um trabalhador mantinha uma rotina simples. Muitas pessoas passaram a vida trabalhando na mesma empresa, vivendo para acordar, trabalhar e, ao fim do dia, voltar para sua casa. Eles foram cobrados por sua capacidade operacional de entrega e esperavam ser recompensados por uma aposentadoria tranquila (1). Com o desenvolvimento tecnológico, o trabalho, o consumo, a forma de fazer negócio e de socializar transformaram-se. Alguns desses avanços tecnológicos foram positivos, tais como, maior tempo de lazer, comunicação e sistemas de gerenciamento de informação melhores, enquanto outros foram negativos, incluindo o aumento do desemprego e o abuso de informação e doLeia mais